BrazilFoundation reúne 55 organizações sociais de todo país no Encontro Anual de Lideranças

Uma diversidade de temas, contextos e causas. Nos últimos dias aconteceu em São Paulo o Encontro de Lideranças da BrazilFoundation, momento em que reunimos as organizações sociais apoiadas no ano. Representantes de 55 organizações de 15 estados estiveram por três dias imersos em atividades para troca de experiências, saberes e aprendizados. O encontro faz parte dos esforços da Fundação em aprimorar as capacidades institucionais e ampliar resultados e impactos.

Iniciamos com as atividades entre pares – as lideranças compartilharam desafios e soluções a partir das próprias experiências. O objetivo foi promover troca de conhecimentos e práticas e fortalecer a ideia de atuação em rede. Na sequência, as organizações participaram do Festival ABCR, a maior conferência de captação de recursos do país que traz as tendências, ferramentas e boas práticas sobre o tema. Pelo 3º ano, a parceria com a Associação Brasileira de Captadores de Recursos viabilizou esta participação.

Com o tema “O Futuro da Captação de Recursos no Brasil do Futuro”, o evento teve mais de 60 sessões paralelas, incluindo palestras internacionais. Anderson Benites compartilhou práticas do IPEDI, Instituto que acompanhamos desde 2014, e falou sobre comunicação para o fortalecimento institucional de pequenas e médias organizações. A CEO da BrazilFoundation, Patricia Lobaccaro, participou da roda de conversa “Editais – o que move uma organização financiadora” e da masterclass “Sustentabilidade Financeira e Governança para OSCs”, contribuindo com a experiência da Fundação.

Reunimos em um coquetel no BTG Pactual nossos parceiros, doadores e equipe com as lideranças para apresentar o trabalho das organizações. Foi o momento de apresentar também as seis iniciativas de Brumadinho, selecionadas via edital específico para a região com recursos da campanha Abrace Minas Gerais, que estão dedicadas à recuperação do local. “Em Brumadinho o momento agora é de união. […] É fazer com que essas pessoas acreditem no amanhã, acreditem que podem continuar vivendo a vida”, disse Carol Antunes do Naação, ressaltando a cooperação e atuação em conjunto das organizações.

Cooperação também enfatizada por Karine Dias, do Instituto Responsa: “Ninguém faz nenhum trabalho sozinho, a gente só tem efeito quando faz as coisas juntos.” O Responsa é uma das 10 organizações apoiadas este ano que trabalham para reinserção socioeconômica de presos e egressos do sistema prisional.

Maitê Lourenço, da BlackRocks, que incentiva a população negra a acessar o ecossistema de inovação, tecnologia e startups reforçou a urgência de se pensar desenvolvimento econômico e social com igualdade: “Quando a gente oferece subsídios e equidade dentro desse processo econômico consegue desenvolver alternativas para crescer cada vez mais como país, como economia. Então pensar o desenvolvimento não só pensando na população periférica, na população pobre, mas também na população negra é entender esse desenvolvimento, esse objetivo.”

Há muitas mãos juntas construindo um país mais justo, nós acreditamos e presenciamos isso nos últimos dias. Agradecemos a cada um que está conosco contribuindo para essa mudança.