Feira de Agricultura Familiar na Bahia

As comunidades da Lagoa da Baixa e Mandassaia II se reuniram no dia 04 de outubro para realizar sua primeira Feira da Agricultura Familiar, Economia Solidária e Feminista, um espaço de estímulo ao fortalecimento comunitário e à troca de conhecimentos no semiárido baiano. As comunidades realizam seus próprios projetos de desenvolvimento social e econômico sustentáveis – uma união que promove o empoderamento no sertão da Bahia.

A Associação Comunitária de Mandassaia II, localizada na comunidade rural de Riachão do Jacuípe, no sertão da Bahia, fortalece um grupo de mulheres produtoras de doces, bolos e biscoitos típicos, promovendo geração de emprego e renda e valorização da mão de obra feminina.

A Associação dos Pequenos Agricultores de Lagoa da Baixa, localizada a mais de 100 km de Mandassaia, promove o desenvolvimento socioeconômico da comunidade de Cansanção por meio de atividades de agricultura familiar, incluindo estruturação de roças produtivas e criação de animais.

As duas comunidades se conheciam e já haviam realizado outras ações em conjunto. “Já tínhamos um contato com a comunidade Lagoa da Baixa […] participamos das duas feiras realizadas em Lagoa da Baixa e nessa última fizemos o convite para realizarem um intercâmbio para conhecerem a realidade de nossa comunidade e verem de perto a transformação que aconteceu nela com o apoio da BrazilFoundation”, disse Taina Lima, representante do Grupo de Mulheres de Mandassaia II.

Na feira, os pequenos agricultores familiares puderam expor e comercializar seus produtos e participaram de debates sobre associativismo e cooperativismo, além das  apresentações culturais, danças, comidas típicas e doces da região.

Os líderes das iniciativas reconhecem que esta foi uma grande oportunidade de aprendizado e crescimento. “As duas comunidades tem em comum os grandes períodos de estiagem e são de territórios diferentes […] A feira foi um espaço de fortalecimento da agricultura familiar na qual os agricultores e agricultoras expuseram e comercializaram seus produtos, trocaram experiência com agricultores que vieram de outras comunidades e regiões”, comemorou Taina.