Melhorando as estatísticas da educação no Brasil

Um grupo de 37 estudantes do Instituto Luther King recebeu recentemente a notícia de que passaram no vestibular de universidades públicas. As áreas variam de Medicina à Educação Física, e Engenharia Química, em universidades como UFMS e UFPR. O Instituto Luther King facilita o acesso ao ensino superior para jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social em Campo Grande, MS, por meio de treinamento pedagógico de professores que preparam os alunos para fazer o ENEM.

No momento, 82 dos 140 destes alunos foram aprovados, e outros ainda poderão ser aceitos nos próximos meses. Em média, de acordo com o Instituto, entre 100 e 120 dos 140 alunos são aceitos em universidades a cada ano. E o que essa realização significa para os alunos e para o ILK? Para os estudantes, que vêm de escolas públicas e, frequentemente, são os primeiros da família a terminar seus estudos, é um sonho que se torna realidade. É igualmente emocionante para o ILK, que trata cada aluno como “família”, de acordo com Gisele. “Sabemos que ainda existe um abismo enorme entre alunos de ensino médio de escola pública e alunos de escolas particulares, e até bem pouco tempo atrás alunos de baixa renda eram minoria na faculdade pública, hoje essa realidade está mudando, cada vez que um de nossos alunos ingressa na universidade, sabemos que estamos mesmo que minimamente encurtando essa estatística e isso nos deixa muito felizes”.

Depois de concluir os estudos, a maioria dos antigos alunos retorna ao Instituto para ajudar como voluntários ou envolver-se em suas comunidades em algum tipo de trabalho voluntário. Alguns alunos até mesmo optam por continuar estudando, fazendo Mestrado ou Doutorado. Não importa o que eles decidem fazer, entrar na universidade pode mudar seu futuro. “Quando o aluno consegue ingressar na faculdade, ele entende que pode ser o que quiser, que não existem limites mais para seus sonhos, ainda passa por algumas dificuldades, mas sabe que está no caminho certo. Muitos já entram pensando no que farão após a faculdade e como vão mudar a história da família, da comunidade”, observa Gisele.

O ILK foi apoiado pela BrazilFoundation em 2014, e agora recebe um apoio contínuo por meio da parceria de co-investimento da BrazilFoundation com a BVSA. A organização também está participando este ano como “madrinha” no Prêmio de Inovação Comunitária.

Crédito: Mazão